• Ester Vasconcelos, André Bojim, Leilla Rayssa

Realizar sonhos é um direito de todos: os desafios de Lozane


Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ser humano torna-se verdadeiramente adulto quando completa 21 anos, podendo assim já responder por todos os seus atos. Entretanto, muitos jovens chegam a fase adulta bem antes dessa idade. Lozane Gonçalves Dias, é uma jovem de 18 anos que já lida com as responsabilidades e obrigações de morar sozinha em Campina Grande, na Paraíba.

Nascida em 22 de Janeiro de 2000, em uma pequena cidade chamada Janaúba localizada no Norte de Minas Gerais, a jovem que é portadora de deficiência nos dois braços, morou no mesmo lugar de nascimento ao lado dos pais e dos dois irmãos mais novos até o início de 2018. Em Abril do mesmo ano, a garota mudou-se para Montes Claros, uma cidade ao lado, para morar ao lado de mais 6 amigos. ‘’Foi a melhor fase da minha vida. Tive liberdade e comecei a conhecer o mundo nessa época.’’ Salienta.

Embora seja portadora de deficiência, Lozane não se considera incapaz de conquistar seus sonhos e acredita que tem muita determinação. Possuindo um diploma técnico em Administração, a estudante recém aprovada em 1º lugar no curso de Comunicação Social da UFCG, hoje mantém o foco para conquistar seu sonho de infância, ser uma jornalista profissional de sucesso.

Residindo em Campina Grande desde setembro de 2018, a jovem conta que o processo de adaptação com a comida da cidade e as novas responsabilidades de morar longe de tudo que era do seu costume, está sendo uma ‘’loucura’’. Lozane veio até a Paraíba sozinha. Chegou em Campina Grande por meio de um táxi que saiu de João Pessoa.

Desde sua chegada na nova cidade, muitos problemas têm aparecido. ‘’Quando cheguei aqui, eu nem tinha local pra dormir. Passei até uma noite dormindo na casa de um pessoal de Letras que me deram ajuda.’’ Desabafou.

Atualmente morando com duas amigas em um apartamento próximo a UFCG, a estudante afirma que hoje em dia as suas maiores dificuldades são, circular pela cidade, conseguir conter a saudade da família e fazer novas amizades. A mesma acredita que a sua turma da faculdade lhe subestima muito por conta da deficiência ou sempre lhe olham com ‘’olhar de pena’’ e isso a deixa desgostosa em ir assistir aula. ‘’Eu to realizando um sonho, mas tá sendo muito difícil. Minha mãe que disse para eu continuar aqui batalhando.’’

Para passar o tempo e esquecer dos problemas, a estudante de Comunicação gosta de assistir filmes de comédia, comer muito chocolate, falar com as melhores amigas Dalite e Nath,e ler livros de romance.

A jovem também afirma que em horários vagos sempre lembra do motivo pelo qual ela está longe de casa e por quem ela está fazendo esse sacrifício, para que desta maneira a tristeza não tente abate-la. Vítima de bullying na época da escola, Lozane diz que todos o abusos que já sofreu foram essenciais para deixa-la mais forte e para formarem o ser humano que ela é hoje. A mesma também afirma ter muita fé em Deus, e que todos esse problemas do passado ficaram para trás no momento em que ela foi batizada em sua igreja. ‘’Esse foi um dos momentos mais felizes da minha vida. Meu batismo na Congregação Cristã do Brasil.’’

A superação de Lozane não se resume apenas a sua vivência com a sociedade. Alguns anos atrás, ela era apaixonada por um certo rapaz, que, ao saber de suas intenções, lhe disse que ela nunca arrumaria alguém e que sua deficiência lhe fazia feia.

Inicialmente ela ficou triste com a situação, mas logo deu a volta por cima e permaneceu de cabeça erguida, cultivando o amor próprio e as pessoas que mereciam sua companhia. Ela relata que hoje ele está muito arrependido pelo que fez e já demonstrou isso quando a viu feliz namorando.

Apesar de todos os problemas e situações enfrentados pela Mineira, a caloura permanece otimista e com o foco de realizar os sonhos de concluir a faculdade, tornasse uma jornalista de sucesso e ajudar os irmãos mais novos. ‘’Sigo acreditando no que minha mãe me disse, que eu não nasci pra chorar, mas sim, pra sorrir e ser uma vencedora.’’ Encerra.

FICHA TÉCNICA

Fotografia e reportagem: Ester Vasconcelos, André Bojim, Leilla Rayssa, Victor Bezerra, Rafaela Costa.

Supervisão editorial: Rostand Melo.


0 visualização

Supervisão Editorial: 

Rostand Melo (DRT-PB 2717)

coletivof8.foto@gmail.com

Projeto de extensão - cota 2019/2020

Edital nº 02/2019 - PROEX/UEPB 

Decom2.png

© 2018-2020 Coletivo F8

Todos os direitos reservados

Logo Coletivo F8 criada por: Alexandre César.

© 2018-2020 Coletivo F8

Todos os direitos reservados