• Natália Cruz, Danyelle Fernandes e Milena Ataide

Os transtornos mentais e a solidão nos tempos de pandemia

Atualizado: Set 22

Que a Covid-19 é uma doença provocada por vírus facilmente disseminado e que causou uma pandemia já é sabido. O isolamento social se fez extremamente necessário e as consequências desse isolamento e do medo se fizeram presentes na psique humana. O estresse, o medo, o pânico se fizeram presentes na vida de crianças, adolescentes, adultos e idosos, atingindo pessoas saudáveis e pessoas que já lidavam com depressão, ansiedade além de outras doenças da mente.

Muitos brasileiros passaram a demonstrar sinais de transtornos mentais como insônia, distúrbios de apetite, depressão, crises de ansiedade e pânico.


Segundo dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas, o órgão pertencente ao Ministério da Saúde, 41,7% dos entrevistados afirmaram ter problemas para dormir, 38,7% disseram ter problemas com falta ou excesso de apetite e 32,6% demonstraram-se deprimidos. A pesquisa foi realizada por telefone.


Somos seres sociais e gostamos de viver em grupos, encontrar amigos para conversar e nos divertir


É impossível falar da quarentena sem falar da solidão que a acompanha e que fez com que a saúde mental de muitos brasileiros fosse exposta, sendo ainda mais difícil lidar com esses transtornos no dia a dia do isolamento. A solidão não atinge apenas os indivíduos que moram sozinhos, mas também quem vive com a família, num verdadeiro dilema "acompanhado, mas sozinho", sem que haja muito diálogo, apenas a convivência.


Outro fator que se mostrou em crescimento foi a violência doméstica, segundo os dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o número de ligações ao 180 cresceram quase que 40% durante o isolamento. Na pandemia, o risco no aumento de casos de tentativas de suicídio também pode aumentar, mas ainda não existem dados oficiais dos órgãos de saúde brasileira competentes sobre.


Presume-se que número de ligações aos serviços gratuitos de ajuda psicológica aumentará ainda mais durante o Setembro Amarelo


O CVV (Centro de Valorização da Vida), serviço disponível no telefone 188, realiza atendimento gratuito no apoio psicológico e combate ao suicídio. A entidade registrou, só no mês de março, 300 mil ligações. No começo do isolamento social no Brasil, outros projetos de atendimento gratuito online criados por psicólogos e psiquiatras também surgiram.



Daqui em diante, não só o Brasil como países do mundo inteiro terão que formar estratégias para o cuidado da saúde mental de seus cidadãos, incluindo o apoio psicológico como essencial em decorrência aos efeitos ocorridos durante e depois da pandemia de Covid-19 e do isolamento.


FICHA TÉCNICA:

Texto: Natália Cruz

Fotografia: Danyelle Fernandes , Natália Cruz e MIlena Ataíde.

Pós-produção: Natália Cruz

Monitoria: Oma Roxana

Supervisão editorial: Rostand Melo


*Fotoilustrações na pandemia:

O Coletivo F8 optou por produzir matérias do gênero “ilustrações fotográficas” durante a pandemia como forma de manter a produção dos estudantes de fotojornalismo da UEPB respeitando os protocolos de distanciamento social. As fotoilustrações permitem ao fotógrafo criar uma cena com o objetivo de representar visualmente um tema ou pauta. O uso de objetos, cenários e, em alguns casos, edição de imagens é comum neste gênero.

Supervisão Editorial: 

Rostand Melo (DRT-PB 2717)

coletivof8.foto@gmail.com

Projeto de extensão - cota 2019/2020

Edital nº 02/2019 - PROEX/UEPB 

Decom2.png

© 2018-2020 Coletivo F8

Todos os direitos reservados

Logo Coletivo F8 criada por: Alexandre César.

© 2018-2020 Coletivo F8

Todos os direitos reservados